Movement Maker Perfiles: Imara Jones

Movement Maker Perfiles: Imara Jones

Retrato por lizar_tistry

In English, português segue o espanhol

Imara Jones, cuyo trabajo ha ganado Premios Emmy y Peabody, es la creadora de TransLash Media, un proyecto de periodismo, narración personal y narrativa a traves de diversas plataformas, que produce contenido para cambiar la cultura actual de hostilidad hacia las personas transgénero en los EE. UU.

¿Quiénes son tu gente?

Creo que es una pregunta muy complicada. Está mi familia, están mis antepasados, hay personas que he conocido en todo el mundo que también forman mi tribu, que están en otros lugares en otros continentes. Está la comunidad que tengo aquí.

Fundamentalmente, creo que la base de las personas que forman “mi pueblo” en general, son personas de la diáspora. Son las semillas que se dispersaron. Eso es cierto tanto para mi propia familia en Estados Unidos, tanto para la parte de mi familia que es nativa como para la parte de mi familia que es “afroamericana”, y luego también para todas esas otras personas que he descrito en todo el mundo, como en Brasil y en Sudáfrica y simplemente en tantos lugares.

¿Qué te trae a este movimiento?

Como le digo a la gente a menudo, mi vida me trae a mi trabajo. Lo que hago es una combinación tanto de lo que soy como de lo que he aprendido en el camino y de las habilidades que he adquirido. Es evidente que soy una transformadora negra en Estados Unidos. Soy una comunicadora y un líder de pensamiento, y una persona que imagina el futuro.

Lo que también me aporta son las habilidades que tengo en marketing y comunicaciones, combinadas con los valores que tengo en mi vida de querer ayudar a acercar a la humanidad a nuestra posibilidad: un mundo que se centre en el bienestar de todas las personas. Hay muchas formas diferentes de lograr esta visión. Una de ellas es centrar el liderazgo de las mujeres, incluyendo el liderazgo de las mujeres trans.

Creo que la segunda es la destrucción del patriarcado: personalmente creo que el patriarcado moderno es la base de todos los demás ismos y limitaciones que tenemos en la sociedad. Creo que todo fluye del patriarcado, que esencialmente es el patriarcado blanco y la necesidad de acaparar recursos, que comenzó en Europa Occidental y luego se globalizó. Ese es el sistema patriarcal blanco del que parten todas las demás cosas. Luego, por supuesto, junto a eso está la necesidad de acabar con la violencia, porque la violencia es una herramienta esencial del patriarcado.

También creo que, por último, lo que me lleva a mi trabajo es el hecho de que pienso globalmente. Creo que eso se debe a que he vivido en muchos lugares diferentes del mundo, hablo más de un idioma y comprendo las formas en que estas cuestiones están vinculadas en un ecosistema global.

No podemos limitarnos a pensar en cambiar las cosas aquí en Estados Unidos sin comprender la forma en que muchos de estos sistemas han revertido en el mundo. Por ejemplo, las personas que se centran en el patriarcado blanco en Estados Unidos, en realidad están conectadas con todas las personas de todo el mundo que están conectadas con el patriarcado blanco.

¿Qué aspecto de tu trabajo en el movimiento te trae alegría?

Las personas que me dicen que el hecho de que se cuenten sus historias o de que se haga eco de ellas les ha salvado la vida o ha cambiado fundamentalmente la forma en que se ven a sí mismas. Realmente creo que, como humanos, somos nuestras historias. Las historias que nos contamos a nosotres mismes son en realidad lo que somos. Alguien dijo que no es necesariamente lo que ocurrió. Es la historia que te cuentas a ti misme sobre lo que pasó. Eso es lo que somos.

Tener la capacidad de contar nuestras historias con autenticidad significa que estás contando la historia para que pueda ser contada, no para que puedas manipular o para que puedas posar. Eso es propaganda, aunque lo haga una persona, sigue siendo propaganda. Contar historias con autenticidad, es algo realmente poderoso y es un poder infravalorado y una necesidad infravalorada para impulsar el cambio, porque las sociedades también son las historias que se cuentan a sí mismas. Si las sociedades cuentan historias diferentes, serán fundamentalmente diferentes.

Creo que si observamos el poder del mito fundacional de Estados Unidos, es una historia poderosa y domina totalmente. Si contáramos y enfatizamos diferentes partes de la historia que no estuvieran basadas en la supremacía blanca, entonces la imaginación de lo que se supone que es el país sería fundamentalmente diferente.

Como digo siempre, la persona que controla la historia tiene el control. Una de las cosas que creo que hay que hacer es contar historias diferentes para desbaratar los relatos y crear un espacio en la imaginación de la gente para algo totalmente diferente y empujar a la gente a pensar en cómo las cosas podrían ser diferentes. Empujarnos a imaginar nuevas historias y nuevas posibilidades para nosotres mismes, porque el cambio, para mí, no es el mismo sistema con diferentes caras en el control.

Para mí, la justicia racial no es este país sólo con personas negras dirigiéndolo o el ejército que tenemos sólo con mujeres en la cúpula. Eso no es el cambio. El cambio es una reimaginación de cómo es y podría ser la estructura de nuestra sociedad y una de las formas de hacerlo y de que lo hagamos es a través de las historias y de los relatos que nos contamos a nosotres mismes.

¿Qué movimientos estás haciendo para terminar la violencia?

Es centrar las voces de las mujeres, de todas las mujeres. Es centrarse en la gente de color. Es 1000% no patriarcal en la forma en que trabajamos, en la forma en que operamos, en la forma en que decidimos las historias que vamos a contar y en las historias en las que gravitamos.

Creo que, fundamentalmente, lo que hacemos desbarata los sistemas patriarcales que, en mi opinión, están en el corazón de la violencia. Es algo muy consciente lo que hago, atacar el patriarcado de manera fundamental, porque desbarata los ideales y las normas que creo que son esenciales.

Gran parte de lo que hacemos es conseguir que la gente hable de la alegría, que piense en cómo es su futuro, que hable de las cosas que son posibles si tenemos el control. Lo que sería diferente si escribiéramos algoritmos informáticos de manera que elevarán y defendieran las voces negras y trans. Tuvimos esa conversación con una mujer trans-latina que dirige una parte de la IA en Microsoft.

Tuvimos toda una conversación al respecto y hay toda una parte de esa comunidad que se centra en hacer cosas así. No sólo hacer las cosas que socavan los pilares del patriarcado que, de nuevo, la violencia es una parte central del patriarcado, sino también conseguir que la gente imagine posibilidades en espacios que son fundamentalmente diferentes.

Centrar el bienestar es esencial para atacar la violencia porque una de las partes esenciales de la violencia es esta idea de escasez y control que legitima la violencia en la mente de las personas que la cometen. Creo que siempre volvemos al hecho de que la marginación, la escasez y el patriarcado alimentan la violencia.

¿Cómo describirías tus fortalezas de liderazgo?

Creo que el liderazgo es responsabilidad. Como líder, para liderar, tienes que ser increíblemente bueno escuchando. Tienes que estar dispuesto a poner el bienestar de otras personas por delante de ti mismo. Para mí, el liderazgo no consiste en las cosas que no puedes hacer. En realidad, se trata de las cosas que luego te haces responsable de hacer. Esa es mi visión del liderazgo.

El liderazgo, puesto que se trata de ayudar a guiar a las personas a nuevos y otros lugares, una parte de esa escucha consiste en comprender dónde están las personas a las que intentas guiar. Dónde están en sus vidas, porque en realidad no puedes pedir a las personas más de lo que son capaces de dar. Puedes conseguir que hagan más de lo que pensaban que era posible. La marca de un líder increíble es hacer eso, pero aun así, tienes que saber dónde está el límite de cada persona.

¿Qué te ayuda quedar en este movimiento?

Creo que me siento fundamentalmente impulsada a hacerlo y eso impulsa ese sentimiento de necesidad y urgencia de lo que estamos haciendo. Realmente creo que es la única manera de avanzar, no hay otra, porque todo lo demás está fallando y es insostenible. Por lo tanto, otra forma de hacer las cosas, tiene que ser esa.

Eso es lo que siento en mis entrañas. De nuevo, el cambio no significa que estemos al mando, en el mismo sistema, de la misma manera. Como siento que esto es una necesidad, y que hay urgencia, siento que no hay otra opción que hacer lo que estoy haciendo. Creo que lo que me hace seguir adelante es esta sensación de impulso y la sensación de urgencia porque todo lo demás está claro que no funciona.

No vivimos en un mundo con escasez de recursos. Vivimos en un mundo en el que los valores en torno a los recursos son tan retorcidos que creamos escasez. Piensa en ello. Es una locura.


Portugues

Quem é o seu povo?

Eu acho que é uma pergunta muito complicada. Há minha família, há meus ancestrais, há pessoas que conheci ao redor do mundo que também formam minha tribo, que estão em outros lugares em outros continentes. Há a comunidade que eu tenho aqui.

Fundamentalmente, eu acho que a base das pessoas que formam “meu povo” em geral, eles são pessoas da diáspora. Elas são as sementes que se espalharam. Isso é verdade tanto para minha própria família nos Estados Unidos, tanto a parte da minha família que é indígena, quanto a parte da minha família que é “afro-americana”, e então também todas aquelas outras pessoas que eu descrevi ao redor do mundo, como no Brasil e na África do Sul e em tantos lugares.

O que o traz ao seu trabalho?

Como eu digo às pessoas com freqüência, minha vida me traz ao meu trabalho. O que eu faço é uma combinação de quem eu sou e o que eu aprendi junto ao caminho e as habilidades que eu adquiri.  Eu sou claramente uma pessoa negra dedicada à mudança transformadora nos Estados Unidos. Eu sou uma comunicadora e líder de pensamento, e uma pessoa que visualiza futuros. 

O que também me traz (ao meu trabalho) são as habilidades que tenho em marketing e comunicação, combinadas com os valores que tenho na minha vida sobre querer ajudar a aproximar a humanidade da nossa possibilidade – um mundo que centraliza o bem-estar de todas as pessoas. Há muitas maneiras diferentes de alcançar esta visão. Uma das maneiras é centrar a liderança das mulheres, incluindo a liderança das mulheres trans.

Eu acho que, em segundo lugar, é uma destruição do patriarcado – eu pessoalmente acredito que o patriarcado moderno é a base para todos os outros ismos e limitações que nós temos na sociedade. Eu acredito que tudo isso flui do patriarcado, que essencialmente é o patriarcado branco e a necessidade de misturar, de acumular e esconder recursos, que começou na Europa Ocidental e depois foi globalizada. Esse é o sistema patriarcal branco a partir do qual todas as outras coisas fluem. Então, é claro, ao lado disso está a necessidade de acabar com a violência porque a violência é uma ferramenta essencial do patriarcado. 

Eu também acho que por último o que me traz ao meu trabalho, é o fato de eu pensar globalmente. Eu acho que isso é porque eu já vivi em muitos lugares diferentes ao redor do mundo, eu falo mais de uma língua e eu entendo as maneiras como essas questões estão ligadas em um ecossistema global.

Nós não podemos simplesmente pensar em mudar as coisas aqui nos Estados Unidos sem entender a maneira como muitos desses sistemas reverberaram para o mundo. Por exemplo, as pessoas que estão focadas no patriarcado branco nos Estados Unidos, elas estão na verdade conectadas a todas as pessoas ao redor do mundo que estão conectadas ao patriarcado branco.

Quais aspectos do seu trabalho de movimento lhe trazem mais alegria?

Pessoas que me dizem que ou ter suas histórias contadas, ou ver suas histórias ecoando, há salvado suas vidas ou mudou fundamentalmente a maneira como elas se vêem a si mesmas. Eu realmente acredito que, como humanos, nós somos nossas histórias. As histórias que contamos a nós mesmos são realmente quem nós somos. Alguém disse que não é necessariamente o que aconteceu. É a história que você conta a si mesmo sobre o que aconteceu. Isso é o que nós somos.

Ter a habilidade de contar nossas histórias significa que você está contando a história para que ela possa ser contada, não para que você possa manipular ou se posicionar. Isso é propaganda, ainda que uma pessoa o faça, é propaganda. Contar histórias autenticamente, é realmente uma coisa poderosa e é um poder subestimado e uma necessidade subestimada na condução da mudança, porque as sociedades também são as histórias que elas contam a si mesmas. Se as sociedades contarem histórias diferentes, elas serão fundamentalmente diferentes.

Eu acho que se olharmos com atenção o poder do mito fundador dos Estados Unidos, é uma história poderosa e que domina totalmente. E se nós contássemos e enfatizássemos diferentes partes da história que não fossem fundamentadas na supremacia branca, então a imaginação do que o país deveria ser seria fundamentalmente diferente.

Como eu digo o tempo todo, a pessoa que controla a história tem controle. Uma das coisas que eu acredito fazer é contar histórias diferentes para interromper as narrativas e criar espaço na imaginação das pessoas para algo completamente diferente e para forçar as pessoas a pensar sobre como as coisas poderiam ser diferentes. Pressionar-nos a imaginar novas histórias e novas possibilidades para nós mesmos porque a mudança, para mim, não é o mesmo sistema com rostos diferentes no controle.

A justiça racial para mim não é este país apenas com pessoas negras a dirigi-lo ou os militares que temos apenas com todas as mulheres na liderança. Isso não é mudança. Mudança é uma re-imaginação de como a estrutura de nossa sociedade é e poderia ser, e uma das maneiras que fazemos isso é através das histórias e das histórias que contamos a nós mesmas.

O que movimentos você faz para acabar com a violência?

É centrar as vozes das mulheres, de todas as mulheres. Está centrando as pessoas de cor. É 1000% não patriarcal na forma como nós trabalhamos, na forma como operamos, na forma como decidimos as histórias que vamos contar e as histórias para as quais gravitamos.

Eu acho que fundamentalmente o que fazemos perturba os sistemas patriarcais que eu acredito estarem no coração da violência. É uma coisa muito consciente que estou fazendo, atacando o patriarcado de uma forma fundamental, porque ele perturba os ideais e as normas daquilo que eu acho que é essencial.

Uma grande parte do que fazemos é fazer que as pessoas falem sobre alegria, fazer com que as pessoas pensem sobre como são seus futuros, fazer com que as pessoas falem sobre as coisas que são possíveis se nós estivermos no controle. O que seria diferente se nós escrevêssemos algoritmos de computador de tal forma que eles elevassem e defendessem as vozes negras e trans. Nós tivemos essa conversa com uma mulher trans-Latinx que dirige uma parte da IA na Microsoft. 

Nós tivemos uma conversa inteira sobre isso e há toda uma parte dessa comunidade que está focada em fazer coisas como essa. Não apenas fazer as coisas que minam os pilares do patriarcado que, novamente, a violência é uma parte central do patriarcado, mas também levar as pessoas a imaginar possibilidades em espaços que são fundamentalmente diferentes. 

Centrar o bem-estar é essencial para atacar a violência porque uma das partes essenciais da violência é esta idéia de escassez e controle que legitima a violência na mente das pessoas que a cometem. Eu acho que sempre voltamos ao fato de que a marginalização, a escassez e o patriarcado alimentam a violência.

Como você descreveria sua abordagem de liderança?

Eu acho que liderança é responsabilidade. Como uma líder, para liderar, você tem que ser um ouvinte incrivelmente bom. Você tem que estar disposto a colocar o bem-estar de outras pessoas acima de si mesmo. Liderança para mim não é sobre as coisas que você não consegue fazer. É na verdade sobre as coisas que você então se torna responsável por fazer. Essa é a minha visão de liderança.

Liderança, porque se trata de ajudar a levar as pessoas a novos e outros lugares, uma parte dessa escuta é sobre entender onde estão as pessoas que você está tentando liderar. Onde elas estão em suas vidas porque você não pode realmente pedir mais das pessoas do que elas são capazes de dar. Você pode fazer com que elas façam mais do que elas pensavam que era possível. A marca de um líder incrível é fazer isso, mas ainda assim, você tem que saber onde está a limitação para cada pessoa. 

O que o mantém neste trabalho?

Eu acho que me sinto fundamentalmente motivado a fazer isso e que impulsiona esse sentimento de necessidade e urgência do que estamos fazendo. Eu realmente acredito que é o único caminho, não há outro caminho, porque tudo o mais está falhando e é insustentável. Portanto, uma outra maneira de fazer as coisas, tem que ser isso.

Eu realmente sinto isso no meu instinto. Novamente, mudança não significa que nós estamos no comando, no mesmo sistema, da mesma maneira. Porque eu sinto que isso é uma necessidade, e que há urgência, eu sinto que não há outra opção a não ser fazer o que estou fazendo. Eu acho que o que me faz continuar é este senso de unidade e o senso de urgência, porque tudo o mais claramente não está funcionando.

Nós não vivemos em um mundo de recursos escassos. Nós vivemos em um mundo onde os valores em torno dos recursos são tão distorcidos que criamos escassez. Pense sobre isso. É selvagem.

Miriam Zoila Pérez
Miriam Zoila Pérez
Directore de Comunicaciones y Estrategia de Medios Digitales
Move to End Violence

Miriam Zoila Pérez (elle) es le Directore de Comunicaciones y Estrategia de Medios Digitales de Move to End Violence. Aporta al puesto más de una década de experiencia en escritura, estrategia digital y activismo. Aprendes más